às 09:48:00

Novembro Azul: conheça a especialidade que trata o câncer de próstata

Mais de 65 mil brasileiros são vítimas do câncer de próstata todos os anos, sendo este o segundo tipo mais comum da doença entre homens cisgêneros. Desse montante, 24% vêm a falecer, o que representa uma morte a cada 32 minutos. Estes dados foram registrados nas pesquisas mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca). E, na prática, quem não se decepciona com tais números não está de fato preocupado com a promoção da saúde no Brasil.

A base deste nosso argumento é outro número bem simples: quando detectado no início, o câncer de próstata tem 90% de chance de cura. Isso significa que muita gente tem morrido por falta de acesso à informação; por negligência; ou por consequência da masculinidade tóxica, que criou um estigma em torno dos homens que cuidam da própria saúde.

Toda notícia que envolve morte é triste por si só. Mas tal sentimento atinge um tamanho descomunal quando são mortes que poderiam ter sido evitadas. Então, se você também acha que a nossa realidade pode ser melhor, leia este artigo até o fim.

Importância da Urologia

Esta é a área médica que estuda especificamente as doenças e as condições que podem acometer aos órgãos reprodutores masculinos. Além disso, embora seja uma função pouco conhecida, os urologistas também são responsáveis por tratar patologias relacionadas ao sistema urinário de mulheres e homens, trans e cisgêneros, desde a infância até a terceira idade.

Entre as principais alterações abordadas por este médico estão: impotência sexual, ejaculação precoce, pedra nos rins e variocele, que inclusive é a causa mais comum da infertilidade masculina. O tratamento para variocele é conduzido por um urologista e, neste caso, a impossibilidade de ter filhos pode ser corrigida de forma cirúrgica.

Em resumo, a urologia atua diretamente em várias questões da saúde humana. Todavia, a parte mais importante desta especialidade, quando pensamos em risco à vida, refere-se à prevenção, ao diagnóstico e ao tratamento de tumores presentes na bexiga, nos testículos e na próstata, por exemplo. Há diferentes exames para o rastreamento de cada câncer citado anteriormente, mas neste artigo focaremos apenas no Novembro Azul.

É por meio do exame de toque retal que o urologista avalia o funcionamento da glândula e pode detectar o seu endurecimento ou a presença de nódulos suspeitos. Um exame de sangue PSA (antígeno prostático específico) também pode auxiliar o diagnóstico junto a um ultrassom transretal. Todos os exames são solicitados pelo médico especialista, que também acompanhará o paciente ao longo do tratamento oncológico no caso de um resultado negativo.

Quando procurar ajuda

Uma vez que 95% dos tumores prostáticos já estão em fase avançada quando apresentam sintomas, o ideal é que, a partir dos 45 anos de idade, pessoas que possuem órgãos reprodutores masculinos façam um check-up anual. Isso porque as chances de desenvolver o câncer de próstata aumentam com o passar do tempo.

Além disso, existem outros três fatores de risco que devem ser levados em consideração. Primeiramente, o histórico familiar, caso este aponte qualquer caso de câncer de próstata em parentes próximos. Em segundo lugar, a raça, pois há maior incidência dessa doença em pessoas negras. E, em terceiro, índices de massa corporal (IMC) que indiquem obesidade.

Por fim, a consulta urológica também é recomendada às pessoas que estejam passando pelos seguintes problemas:

  • Dificuldade ou dor para urinar;
  • Dor nos rins;
  • Alterações no pênis;
  • Mudanças nos testículos;
  • Aumento na produção de urina.

Dia a dia do médico urologista

Os ambulatórios serão um cenário contundente na rotina dos urologistas, onde realizarão o atendimento clínico de pessoas sofrendo por disfunções no sistema reprodutor e/ou no sistema urinário. Ser especialista em duas áreas tão complexas não só parece, como de fato é muita coisa. Por esse motivo, o médico especializado em urologia dedica-se totalmente à função, podendo, contudo, se subespecializar.

Já em hospitais e clínicas, tanto do Sistema Único de Saúde (SUS) como da rede privada, o dia do urologista traz ainda mais desafios, no bom sentido da palavra. Isso porque existem diversos procedimentos que esses médicos estão aptos a realizar. Algumas das cirurgias são: transplante renal, remoção de tumores, vasectomia e laparoscopia urológica.

Perfil de um bom urologista

Por se tratar de uma área muito ampla de estudo, é importante ser um profissional com facilidade para absorver conhecimento a fim de tornar-se um bom urologista. Disciplina e dedicação serão duas outras habilidades essenciais para o seu sucesso desde a residência médica. Afinal, você enfrentará plantão atrás de plantão, idas à enfermaria, emergências, e por aí vai.

Um profundo entendimento em radiologia e oncologia também será importante nas diferentes fases que envolvem a condução do tratamento de cânceres após a confirmação da doença. Além disso, adquirir desenvoltura em comunicação e trabalhar virtudes interpessoais, como a empatia e a paciência, será fundamental na construção de relações sólidas com seus pacientes. Por fim, a criatividade também pode se tornar uma grande aliada caso você opte pela urologia pediátrica.

Informação e trabalho em nome da vida

Com os números começamos e é com eles que nós finalizaremos este artigo tão importante: 70% dos homens cisgêneros não costumam ir ao urologista para realizar exames de rotina. Este dado foi captado pelo Instituto de Urologia e Cirurgia Robótica durante a realização de uma pesquisa em 2020.

O câncer de próstata é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células da glândula responsável pela produção do líquido seminal. Via de regra, os tumores podem invadir outros órgãos, levando o paciente à morte. No entanto, tal agravamento da doença pode ser evitado com o diagnóstico precoce.

Nesse sentido, praticar atividades físicas, manter o peso corporal adequado, evitar o consumo de bebidas alcoólicas, o tabagismo passivo e não fumar são algumas das atitudes positivas a serem adotadas por precaução. Mas acima disso está a decisão de buscar o atendimento de um médico urologista anualmente para a realização de exames preventivos.


Fonte: