às 17:00:00

Número de geriatras está defasado no país

O envelhecimento da população é um fenômeno mundial. No Brasil, o número de idosos já alcança 22,9 milhões (11,34% da população) e a estimativa é de que nos próximos 30 anos esse número mais que triplique, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).  Apesar de ser uma parcela bastante significativa da população e com demandas de saúde específicas o número de geriatras, no país, é pequeno. São 1.817 profissionais, conforme dados da Demografia Médica Brasileira de 2018. Uma média de apenas um geriatra para cerca de 20 mil idosos.  

Se não bastasse isso a falta de psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, entre outros, para compor a assistência prestada ao idoso e a má distribuição desses profissionais pelo Brasil, agravam ainda mais a situação. Só a região Sudeste concentra mais da metade desses especialistas. Minas Gerais conta com 226 geriatras, seis deles atuam na região metropolitana do Vale do Aço e apenas dois deles são titulados pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Tem cidades no país que não tem nenhum geriatra.  

O geriatra e professor da Univaço Sávio Francisco Ulhôa, a saúde de uma maneira geral está cada vez mais complexa. “O processo de envelhecimento populacional nos países desenvolvidos levou 150 anos para acontecer, já nos países subdesenvolvidos como o Brasil, esse processo aconteceu na metade desse tempo. Assim saímos de um patamar com doenças infecto contagiosas para um de doenças crônicas degenerativas. Devido a rapidez desse processo faltou planejamento para que essa importante parcela da população tenha todos os seus direitos garantidos.  Por isso é necessário um esforço conjunto do governo e sociedade para se conscientizarem desse problema e ajudar a formar mais profissionais”.  

Para acabar com esse déficit é preciso um planejamento para atender às necessidades da nova geração de idosos e as demandas que isso exigirá como, serviços especializados com intervenções integradas dos profissionais, das instituições de saúde e do governo. Atualmente, Geriatria está em 39° lugar na distribuição de títulos de especialista no Brasil dentre as 54 especialidades da medicina analisadas.  

Geriatria

É uma área que trabalha não só com doenças que ainda prevalecem na velhice, tais como hipertensão arterial, doença coronariana, diabetes, entre outras, mas com ferramentas que auxiliam na melhora da qualidade de vida da população idosa. Sendo assim, é essencial que os profissionais da saúde invistam em qualificação para atuar com esta fase da vida para garantir o nível da assistência médica e a qualidade de vida dos pacientes idosos.   

Fontes: Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (https://sbgg.org.br/)            

Conselho Federal de Medicina (http://www.portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=27505:2018-03-19-20-22-02&catid=3)              Demografia Médica Brasileira de 2018 (https://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=27509:2018-03-21-19-29-36&catid=3)


Fonte: