às 13:35:00

Palestra sobre Saúde Indígena no Brasil

Medicina e a Saúde Indígena no Brasil

Myrtô Sucupira ministrando a palestra

O Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, estima que existam 890 mil índios, divididos em mais de 200 etnias no Brasil, em regiões de difícil acesso. Por isso, vencer o desafio da distância para levar serviços de saúde à população indígena, respeitando sua cultura e costumes, pode ser uma conduta mais forte do que simplesmente cumprir um direito, mas uma missão social relevante. Para refletir sobre esse assunto, a Univaço convidou a antropóloga Myrtô Sucupira - apoio técnico em Saúde Indígena do DSEI/MG – ES - , para falar para os alunos do 3° período, sobre a “Política de Saúde Indígena no Brasil”.

Na ocasião, Myrtô ressaltou a necessidade dos profissionais de saúde levarem em consideração as tradições e saberes das populações indígenas, tanto para promover a integração entre as diferentes formas de fazer Medicina, quanto para respeitar o contexto sociocultural e crenças em que esses povos estão inseridos. “Devemos trabalhar para minimizar os conflitos e, ao mesmo tempo, implantar métodos eficazes para reduzir danos na saúde dos indígenas”, lembrou a antropóloga.

Além de promover reflexão, a palestra também teve o objetivo de sensibilizar os alunos a estudar e entender essa população. “É importante que os futuros médicos saibam como atender os indígenas e lidar com suas peculiaridades, além de se prepararem, pois podem ser médicos de uma comunidade indígena no futuro. A minha esperança é que esses profissionais saiam da escuta e colaborem para minimizar as dificuldades”, acrescentou Myrtô.

 A acadêmica Letícia de Castro achou muito interessante a faculdade proporcionar uma palestra com um profissional que vive o dia a dia das comunidades indígenas. “É uma oportunidade única entender como é o trabalho dos profissionais de saúde nessas comunidades.  Além, é claro, de nos ajudar a resolver melhor o nosso problema aberto na  aprendizagem em pequenos grupos - APG. ”


Fonte: